Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Os Marretas

 

Há dias em que os meus pais só me fazem lembrar aqueles dois velhos dos marretas, sabem quais são? Um pica aqui, o outro pica ali, um critica daqui, o outro critica dali. Ah e o meu irmão deve ser o sapo Cocas ou algo parecido.

 

Este fim de semana, a família “Marreta”, excepto a minha Pessoinha e o Marreta Bóbi, foram verificar o estado de um terreno cujo proprietário é o Marreta-pai, ali na zona do Ribatejo. Aproveitaram para visitar o resto da família Marreta e pôr a conversa em dia. E o paladar também pois a minha tia Marreta é uma cozinheira de alto gabarito e muito famosa e solicitada na sua zona.

 

Hoje ao almoço, enquanto fazia os últimos preparativos para ir para a escola, comecei a ouvir uma conversa (espécie de troca de impressões e opiniões) do clã Marreta.

 

Marreta-mãe é sempre do contra, ou não fosse ela a Marreta-mãe. O Marreta–pai defendia que as silvas que invadiram o terreno só seriam exterminadas com uma queimada. É claro que a Marreta-mãe disso logo que ele tava doido e que não se faziam queimadas nesta altura. Comecei logo a imaginar o churrasco gigante que iria sair dali, caso fizesse uma queimada.

 

O Marreta-pai começou a dizer que as oliveiras, as amendoeiras e as ameixoeiras ainda davam fruto mas é claro que a Marreta-mãe tinha de ser do contra e disse que aquilo já não dava nada. Marreta-pai aniquilou-a logo dizendo que se as árvores forem podadas ficam como novas e dão fruto.

 

O mais engraçado foi a discussão para cortar as silvas e descer até ao vale. O sapo Cocas arranjou mil e um estratagemas: atava uma corda à cintura e prendia-a a uma árvore e depois ia cortando as silvas para abrir caminho.

A Marreta-mãe teve logo que dar o seu bitaite: se a árvore se partisse – não era a corda, atenção! – o Cocas caia pró meio das silvas e nunca mais ninguém o via.

Eu, que estava no wc a lavar as dentuças, explodi a rir. Foi salpicos de pasta de dentes por tudo quanto era lado! É claro que a esta mente prodigiosa ocorreu logo mais uma cena hilariante: e se o Cocas escorregasse e ficasse pendurado pela cintura? Parecia um chouriço!!!

 

Bom, tive de abandonar a conversa a meio pois o meu “motorista” não espera por mim se eu não estiver na paragem. Mas saí porta fora a rir-me que nem uma doida.

Digam lá que a minha família não é um prato?!